Visões diferentes do mundo | AGÊNCIA FAPESP

Estudo publicado na Nature Neuroscience indica que a maneira como as imagens são vistas e interpretadas depende do tamanho do córtex visual primário (divulgação)

Visões diferentes do mundo

07 de dezembro de 2010

Agência FAPESP – Que pensamentos e emoções diferem de uma pessoa a outra é algo que ninguém põe em questão, mas a maioria acha que o mundo é visto de maneira semelhante. Ou seja, as cenas são as mesmas, mas a interpretação é diferente. Mas um estudo indica que as diferenças também estão presentes na maneira como se vê o mundo.

Sabe-se que o córtex visual primário – área no cérebro responsável por processar os estímulos visuais – varia até três vezes de tamanho de um indivíduo a outro. A nova pesquisa verificou que o tamanho do córtex visual afeta a maneira como o ambiente é percebido.

Os resultados do estudo, feito no Wellcome Trust Centre for Neuroimaging e no Institute of Cognitive Neuroscience da University College London, foram publicados no domingo (5/12) no site da revista Nature Neuroscience.

Era conhecida a importância do córtex visual primário para a percepção visual, mas a nova pesquisa indica que o tamanho dessa área também modula a interpretação da experiência visual.

Samuel Schwarzkopf e colegas apresentaram séries de ilusões ópticas a 30 voluntários saudáveis. Entre as imagens estavam a conhecida ilusão de Ebbinghaus, na qual dois círculos iguais são envoltos por círculos (ou “pétalas”): pequenos para um e grandes para o outro. A maioria das pessoas vê o círculo envolto pelas pétalas menores como maior, mesmo sendo do mesmo tamanho do outro.

Em outra ilusão de óptica, ou “do trilho de trem”, duas imagens de mesmo tamanho parecem diferentes por estarem em posições diferentes no trilho em relação ao observador: mais perto e mais longe, sendo que a segunda dá a impressão de ser maior.

Os pesquisadores verificaram que os voluntários viam as ilusões diferentemente. Alguns viam uma grande diferença (ilusória) entre as imagens de mesmo tamanho, enquanto para outros a diferença era pouco perceptível.

Por meio de imagens de ressonância magnética funcional, os cientistas mediram a área superficial do córtex visual primário de cada voluntário. Observaram uma grande variação de tamanho na região.

Surpreendentemente, foi verificada uma forte relação entre o tamanho do córtex visual e a extensão em que os voluntários percebiam a ilusão de óptica: quanto menor a área, mais pronunciada foi a ilusão.

“Nosso trabalho mostra que o tamanho de um pedaço do cérebro de uma pessoa pode ser usado para prever como ela percebe o ambiente visual”, disse Schwarzkopf. “Como vemos o mundo depende muito de nossos cérebros, do tamanho da área que o cérebro separa para o processamento visual.”

O artigo The surface area of human V1 predicts the subjective experience of object size (doi:10.1038/nn.2706), de Samuel Schwarzkopf e outros, pode ser lido por assinantes da Nature Neuroscience em www.nature.com/neuro/journal/vaop/ncurrent/abs/nn.2706.html.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados