Redução da poluição marinha | AGÊNCIA FAPESP

Embaixada dos Estados Unidos aceita propostas, até 31 de março, para redução de fontes terrestres de poluição marinha no Brasil. Projeto escolhido receberá US$ 75 mil (foto: divulgação)

Redução da poluição marinha

26 de fevereiro de 2009

Agência FAPESP – A Embaixada dos Estados Unidos, por meio do Escritório de Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Saúde, está recebendo propostas para um projeto que resulte na redução de fontes terrestres de poluição marinha, causadas por produtos agrícolas, nos córregos e rios brasileiros.

Serão concedidos US$ 75 mil ao melhor projeto e as propostas devem ser enviadas até 31 de março. Somente propostas em inglês serão aceitas para avaliação.

O projeto selecionado será implantado no Estado do Mato Grosso ou em outro polo de intensa atividade agrícola nos estados brasileiros e incluirá workshops sobre experiências e boas práticas na redução do escoamento decorrente da atividade agrícola.

Terão prioridade no processo de avaliação projetos com ênfase ao combate desse tipo de poluição e os esforços na redução do uso de fertilizantes e aplicação de pesticidas mais eficientes e com menor toxicidade.

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), 80% da poluição depositada nas águas costeiras e oceânicas é resultante de atividades de fontes terrestres, sendo que o aumento do uso de fertilizantes por conta da modernização da agricultura é um dos principais fatores que têm contribuido para a poluição marinha e costeira.

Mais informações: www.embaixada-americana.org.br

 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados