Medição dos impactos | AGÊNCIA FAPESP

Pesquisadora da Embrapa desenvolve método para avaliação dos impactos de inovações tecnológicas em diferentes áreas do conhecimento. Software pode ser baixado gratuitamente pela internet

Medição dos impactos

02 de fevereiro de 2009

Por Thiago Romero

Agência FAPESP – A pesquisadora da área de Biossegurança da Embrapa Meio Ambiente, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária em Jaguariúna (SP), Katia de Jesus-Hitzschky desenvolveu um novo método que permite a avaliação dos impactos de inovações tecnológicas em diversas áreas do conhecimento. A ferramenta foi disponibilizada gratuitamente na internet.

Trata-se do software Inova-Tec, que fornece informações de acordo com critérios definidos em sete dimensões, entre as quais “ambiental”, “social”, “econômica” e “desenvolvimento institucional”, nas quais os impactos da tecnologia podem ser percebidos e mensurados.

Segundo Katia, em linhas gerais, o sistema permite a análise do cenário no qual a tecnologia será introduzida e também do desempenho da inovação propriamente dita, por meio da análise dos indicadores de impacto com base em diferentes pesos e índices numéricos utilizados para a medição do impacto.

“O método apresenta 61 indicadores mais gerais, que são inseridos no contexto das sete dimensões, além de o avaliador poder inserir indicadores mais representativos da tecnologia que será avaliada, possibilitado uma avaliação caso a caso”, disse ela à Agência FAPESP.

“Ele avalia o impacto real da introdução de uma tecnologia no mercado – como seu retorno financeiro, por exemplo – e também faz avaliações prospectivas de impactos potenciais”, conta.

Com isso, o pesquisador tem a possibilidade de monitorar quais são os indicadores que podem causar problemas em seus modelos de negócio e, consequentemente, tomar medidas específicas e focadas em cada dimensão.

“O software é bem inclusivo e permite a avaliação do impacto de inovações em qualquer área do conhecimento. Ele já vem sendo utilizado na avaliação de programas e projetos da Embrapa”, explicou a pesquisadora, destacando que um estudo de caso voltado ao setor florestal desenvolvido pela instituição de pesquisa, que utilizou o método, teve seus resultados publicados no Journal of Technology Management & Innovation.

Os resultados das avaliações pelo método são apresentados no formato de gráficos, tabelas, relatórios e por meio de uma matriz que fornece a recomendação para o melhor gerenciamento do impacto da inovação. “Quanto maior o número de indicadores que o pesquisador inserir no sistema, maior será o refinamento dos resultados”, disse Katia.

Antes de criar o software, alguns estudos de mercado foram realizados. A pesquisadora – que para definir os 61 indicadores do software entrevistou economistas, sociólogos e ambientalistas, entre outros profissionais – verificou que muitas tecnologias falharam simplesmente porque não era o momento mais adequado para inseri-las no mercado.

“Uma das vantagens do método é que ele avalia o cenário do mercado no qual a tecnologia será inserida, de modo a mostrar que ainda que as dimensões social e ambiental estejam favoráveis, por exemplo, a econômica pode estar mal avaliada e por isso precisa de ajustes para a redução de seus impactos”, disse.

O software permite ainda que, depois de consultar várias bases de dados na literatura de uma área do conhecimento, incluindo artigos científicos publicados em revistas nacionais e internacionais, o pesquisador possa organizar os dados no sistema e mensurar a sustentabilidade de uma determinada tecnologia.

Segundo Katia, o sistema permite ainda um aprimoramento dos trabalhos científicos antes de eles serem apresentados às agências de fomento para a obtenção de financiamento. “Isso significa que o pesquisador pode avaliar seu trabalho antes da investigação mais refinada da agência, uma vez que o sistema fornece as recomendações de indicadores prioritários a serem melhorados”, disse.

Para ler o estudo Impact assessment system for technological innovation: inova-tec system, publicado no Journal of Technology Management & Innovation, clique aqui.

Mais informações sobre o software Inova-Tec, que está disponível para uso livre no site da Embrapa Meio Ambiente: www.cnpma.embrapa.br/forms/inova_tec.php3
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados