Em busca de citações | AGÊNCIA FAPESP

Dicas para redação científica, de Gilson Volpato, discute bases teóricas da produção de textos científicos e apresenta 245 práticas para aumentar aceitação e citação de artigos no contexto internacional

Em busca de citações

10 de maio de 2010

Por Fábio de Castro

Agência FAPESP – Resultado de 25 anos de dedicação ao estudo da redação e metodologia científica, o livro Dicas para redação científica, de Gilson Volpato, tem o objetivo de fornecer ao leitor os principais caminhos para a produção de artigos científicos que tenham impacto internacional. A obra acaba de ter lançada sua terceira edição revisada, ampliada e atualizada.

“A preocupação geral no livro é mostrar aos leitores os principais conceitos que devem balizar a estruturação de um artigo científico. Mas não se trata da produção de um artigo qualquer e sim da construção de um texto que maximize as possibilidades de ter impacto na ciência internacional, vencendo o preconceito científico. São dicas para escrever artigos que sejam mais encontrados, lidos e citados”, disse o autor à Agência FAPESP.

O professor do Departamento de Fisiologia do Instituto de Biociências de Botucatu da Universidade Estadual Paulista (Unesp) vem há anos apresentando cursos sobre redação científica pelo país. Publicou seis livros sobre o assunto, incluindo Bases teóricas da redação científica ... por que seu artigo foi negado (2007) e Pérolas da redação científica (2010).

Segundo ele, o novo livro apresenta as bases teóricas para a construção de artigos de boa qualidade e, em seguida, exemplifica a aplicação desses conceitos com 245 dicas que percorrem todas as etapas do processo – da concepção da pesquisa até a redação final.

“Só a ciência de boa qualidade gera bons artigos. Por isso, o livro dá ênfase às bases teóricas e reflete sobre o ato de fazer ciência. A abordagem não é técnica, nem normativa: não são dicas mecânicas. O livro discute concepções de pesquisa visando à publicação em revistas de alta qualidade”, afirmou.

A primeira edição do livro tinha 84 páginas. A edição atual tem 150 páginas. Segundo Volpato, a obra foi amplamente reformulada, adquirindo uma nova estrutura e ganhando novas seções, com fundamentação teórica mais aprofundada.

“Nesta edição, abordei de forma mais ampla os fundamentos teóricos e epistemológicos do fazer e escrever ciência. Com isso, procurei fornecer uma agenda de estudo, reflexão e trabalho que deverá resultar em trabalhos científicos mais robustos”, apontou.

Os capítulos com ênfase teórica tratam dos temas “Por que não somos citados?”, “Substratos para redação científica internacional”, “Estrutura geral do artigo” e “Estrutura das partes do artigo”. Em seguida, as aplicações práticas são apresentadas no capítulo “Dicas para redação... rumo à aceitação”.

Volpato defende que os erros de redação apenas espelham equívocos conceituais sobre ciência e comunicação científica. “Enquetes feitas com editores de periódicos internacionais indicam que artigos brasileiros são recusados, por exemplo, por ter estilo inapropriado, excesso de referências, objetivos pouco definidos e objetivo restrito. No livro, discuto e contextualizo esses problemas e depois dou dicas práticas – muitas delas provenientes da experiência nos cursos que tenho apresentado”, disse.

Volpato conta que dedica boa parte de seu tempo, atualmente, às palestras. Um curso que foi apresentado em abril, na Universidade de São Paulo (USP), teve 900 inscrições em uma semana.

“A demanda é alta por duas razões. Uma delas é a carência de discussão conceitual sobre esse tema. Por outro lado, com o processo de globalização, as exigências para a publicação em revistas de qualidade começam a se fazer mais presentes”, disse.

  • Título: Dicas para redação científica
    Autor: Gilson Volpato
    Lançamento: 2010
    Preço: R$ 33
    Páginas: 152

Mais informações: www.bestwriting.com.br

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados