Evento esclarece dúvidas sobre o programa PIPE-FAPESP na Abimaq | AGÊNCIA FAPESP

Evento esclarece dúvidas sobre o programa PIPE-FAPESP na Abimaq Série Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para Inovação na Pequena Empresa apresenta normas para a submissão de projetos a empreendedores interessados em atuar no Estado de São Paulo (foto: Felipe Maeda / Agência FAPESP)

Evento esclarece dúvidas sobre o programa PIPE-FAPESP na Abimaq

15 de agosto de 2019

Maria Fernanda Ziegler | Agência FAPESP – Por considerar a inovação tecnológica fundamental para garantir o ganho de eficiência e a qualidade da produção industrial, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) sediou, nesta segunda-feira (12/08), o Diálogo sobre Apoio à Pesquisa para Inovação na Pequena Empresa no auditório da entidade, em São Paulo.

O encontro, que reuniu 74 pessoas interessadas em submeter propostas para o Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) da FAPESP, foi uma oportunidade de elucidar dúvidas sobre a submissão de projetos e compreender melhor as normas que conduzem o PIPE. O evento faz parte de uma série de encontros para apresentar o programa para empreendedores.

Na ocasião, também ocorreu o lançamento da exposição Pesquisa é desenvolvimento, que homenageia a produção científica e tecnológica dos pesquisadores paulistas e está aberta à visitação no hall da Abimaq até 30 de agosto.

“A Abimaq tem dado muita ênfase à difusão da inovação tecnológica. Nos últimos anos, tem sido muito grande a velocidade com que a tecnologia vem sendo empregada em nossos produtos. Mas há um gargalo relacionado à falta de estrutura”, disse José Velloso, presidente da entidade.

Velloso afirmou que, apesar do gargalo, é preciso investir em tecnologia para que a indústria entre na “onda da digitalização” e não sucumba. “Daí a importância da FAPESP e de outros órgãos financiadores. A inovação tecnológica é fundamental. Se não formos por esse caminho, vamos desaparecer”, disse.

O PIPE apoia a execução de pesquisa científica e tecnológica em pequenas empresas, com até 250 empregados, sediadas no Estado de São Paulo. As propostas podem ser desenvolvidas em duas etapas: a Fase 1, de demonstração da viabilidade tecnológica do produto ou processo, com duração máxima de 9 meses e recursos de até R$ 200 mil; e a Fase 2, de desenvolvimento do produto ou processo inovador, com duração máxima de 24 meses e recursos de até R$ 1 milhão.

Há ainda a Fase 3 do programa, voltada para o desenvolvimento e comercialização do produto. Essa fase é financiada pela FAPESP em cooperação com a Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep).

O 4º ciclo de análise de 2019 do PIPE recebe propostas até 21 de outubro. Estão reservados até R$ 15 milhões para atendimento aos projetos selecionados. A chamada está publicada em: www.fapesp.br/pipe/chamada-4-2019.

No evento, o diretor executivo da Abimaq, João Alfredo Saraiva Delgado, falou da importância das startups na implementação de soluções da indústria 4.0, assim como da agricultura de precisão e da internet das coisas (IoT).

De acordo com a pesquisa Indústria 4.0, realizada no ano passado pela Abimaq e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 97% das empresas têm interesse na indústria 4.0. Desse total, quase 70% já estão fazendo a implementação, sendo que 24% afirmaram estar totalmente integradas e com investimentos concretos na área. A pesquisa foi realizada com 94 empresas de 16 setores industriais.

“No entanto, a pesquisa também mostra que a menor implementação está justamente nas pequenas e médias empresas. Por isso precisamos do PIPE e da FAPESP para difundir isso nas pequenas empresas", disse Delgado.

O evento contou também com a apresentação de Jorge Gripp, diretor de Tecnologia da Autaza Tecnologia, empresa sediada em São José dos Campos, que obteve recursos para o financiamento de projeto de inspeção automática de qualidade de carrocerias automotivas.

Atualmente na fase 3 do PIPE, a empresa ampliou o campo de atuação, atendendo também empresas do setor de vidro e aeronáutico. Outra expansão importante foi a recente abertura de um escritório nos Estados Unidos para atender clientes globais nos três setores (leia mais em http://pesquisaparainovacao.fapesp.br/820 e http://pesquisaparainovacao.fapesp.br/929).

Na sessão de perguntas e respostas do evento, Douglas Eduardo Zampieri, coordenador adjunto de Pesquisa para Inovação da FAPESP, explicou como deve ser formulado um projeto para o PIPE.

Uma dúvida recorrente da plateia estava relacionada à necessidade ou não de ter uma empresa constituída. “Na submissão ainda não é necessário ter CNPJ. Cerca de 30% dos projetos aprovados, na realidade, são de empresas a serem constituídas. Quando o empreendedor receber a notícia de que sua proposta foi aprovada pelo PIPE, tem 60 dias para realizar os trâmites necessários”, explicou Zampieri.

Foi ressaltado ainda que a empresa deve estar sediada no Estado de São Paulo, onde também deve ocorrer a execução do projeto, uma vez que o financiamento é feito com recursos dos contribuintes paulistas.

“O coordenador também deve morar no Estado de São Paulo, pois é exigida dedicação de 40 horas semanais à pesquisa. Já a contratação de consultores é livre”, disse.

Zampieri destacou que é possível submeter proposta diretamente para a Fase 2, desde que o projeto demonstre ter prova de conceito (normalmente finalizada na Fase 1) e um plano de negócios que informe o tamanho do mercado a ser atingido e projete, por exemplo, estimativas de venda nos três primeiros anos.

Sobre o desafio de migrar da área acadêmica para empresas, buscar parceiros, Gripp, da Autaza, afirmou que é preciso estudar o mercado. “O tema do meu doutorado não foi o mesmo do meu projeto no PIPE. Muitas vezes, o que se faz na universidade não é exatamente o que o mercado está querendo. O nosso primeiro desafio é a validação perante o mercado. É possível migrar de área e de tema. Se não tivéssemos essa afirmação do mercado não teríamos constituído a empresa”, disse.

Também foi questionado se as propostas deveriam seguir algum tema ou área predefinidos. “Não existe área prioritária. Esporadicamente lançamos editais específicos, mas isso é explicitado. Na maioria das chamadas, a proposta pode estar vinculada a qualquer campo de pesquisa. Tende a estar muito ligada às necessidades do mercado”, disse Carlos Américo Pacheco, diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da FAPESP.

“Há alguns anos eram poucos os projetos do PIPE em agronomia, por exemplo. Atualmente, temos muitos projetos nessa área, provavelmente pela demanda da agricultura de precisão”, disse.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados