Unicamp cria programa de atenção ao autismo | AGÊNCIA FAPESP

Unicamp cria programa de atenção ao autismo Nova unidade voltada à capacitação de profissionais de saúde e educadores será instalada em área próxima ao Hospital de Clínicas. Início está previsto para o primeiro semestre de 2020 (imagem: Freepik)

Unicamp cria programa de atenção ao autismo

12 de abril de 2019

Agência FAPESP – A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) apresentou, no dia 5 de abril de 2019, o novo Programa de Atenção em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). O objetivo da iniciativa é ampliar a rede de cuidado e possibilitar o diagnóstico precoce por meio da capacitação de profissionais da atenção básica de saúde, pediatras e educadores.

O programa será instalado em uma área de 350 metros quadrados situada ao lado do Hospital de Clínicas de Campinas. A unidade será administrada pela Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp.

O TEA é considerado um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por déficits marcantes na comunicação e na interação social e por padrões restritos ou repetitivos de comportamento. Estima-se que afete 70 milhões de crianças no mundo. No Brasil, a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) estima que uma em cada 160 crianças tenha TEA.

Um dos objetivos do programa será capacitar os agentes dos municípios tanto para identificar possíveis casos quanto para prestar os cuidados necessários. Pretende-se que, com a capacitação dos pediatras e demais profissionais da atenção básica de saúde, o preenchimento do cartão da criança do SUS forneça as informações necessárias para o encaminhamento do paciente a uma avaliação médica mais detalhada.

A capacitação dos municípios pretende, ao mesmo tempo, reduzir o fluxo para o Hospital de Clínicas da Unicamp e evitar o deslocamento das famílias que viajam de outros municípios em busca de atendimento.

Mais informações: https://bit.ly/2WISfA8.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados