Unesp cria rede para monitoramento de variantes do coronavírus | AGÊNCIA FAPESP

Unesp cria rede para monitoramento de variantes do coronavírus Iniciativa será implantada nas regiões que abrigam unidades da universidade no Estado de São Paulo (imagem: Pixabay)

Unesp cria rede para monitoramento de variantes do coronavírus

10 de março de 2021

Agência FAPESP* – Com o objetivo de monitorar a presença e o deslocamento das novas variantes do coronavírus no Estado de São Paulo, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) criou uma Rede de Vigilância Genômica (Vigenômica). A iniciativa será implantada nas regiões dos municípios que abrigam unidades da Unesp.

“Nosso objetivo é desenvolver e implementar protocolos para monitorar as variantes do vírus SARS-CoV-2, verificar a sua presença e deslocamento no interior do Estado de São Paulo”, explica a professora Célia Regina Nogueira, presidente do Comitê Científico da Unesp, em entrevista para a Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp.

A atuação da Rede está prevista para começar na região de Botucatu, com análises feitas pelo Laboratório de Biologia Molecular do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HC-FMB). Em seguida, de forma gradual, o projeto irá se expandir para outros municípios que abrigam unidades da Unesp.

“Ao sequenciar as variantes que estão circulando no Estado, fornecemos informações importantes para tomadas de decisões estratégicas em Saúde Pública pelo SUS ou prefeituras, por exemplo”, destaca a professora Rejane Maria Tommasini Grotto, vice-coordenadora da Vigenômica, à Assessoria de Comunicação da Unesp.

A princípio, a rede contará com a parceria das prefeituras de Botucatu e Araraquara e apoio da Faculdade de Ciências Farmacêuticas e do HC-FMB, responsáveis pelas análises das amostras.

Mais informações em: https://bit.ly/2OpKa4t.

*Com informações da Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp .
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados