Sistema que detecta talentos esportivos conquista prêmio do Comitê Olímpico Brasileiro | AGÊNCIA FAPESP

Sistema que detecta talentos esportivos conquista prêmio do Comitê Olímpico Brasileiro Desenvolvido por pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria da USP, o iSports combina matemática e estatística para coletar e analisar dados em testes com atletas (foto: COB/divulgação)

Sistema que detecta talentos esportivos conquista prêmio do Comitê Olímpico Brasileiro

29 de março de 2022

Agência FAPESP* – Desenvolvido por pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) da Universidade de São Paulo (USP), o Sistema iSports - Modalidade Judô foi o grande vencedor do Prêmio Esporte Inovação – concurso realizado durante o 2º Congresso Olímpico do Brasil. O projeto foi escolhido por votação popular após concorrer com outros cinco trabalhos expostos no Centro de Convenções Salvador, na Bahia, no dia 20 de março.

O iSports combina matemática e estatística para coletar e analisar dados em testes planejados para atletas de judô. As informações são reunidas em uma nota que varia de 0 a 100. Assim, é possível comparar o desempenho de diferentes atletas e também o desenvolvimento de um mesmo esportista ao longo do tempo.

"A curto prazo, espera-se que o sistema possa auxiliar na seleção de atletas para os próximos Jogos Olímpicos [2024 e 2028]. A médio ou longo prazo, espera-se que o sistema possa impactar no desenvolvimento/acompanhamento de atletas no Brasil, compondo-se como uma ferramenta tecnológica e inovadora voltada para a parametrização de processo decisório ligado a investimentos e desenvolvimento de talentos esportivos, estimulando propostas voltadas a outros esportes", diz o texto de apresentação do projeto.

A metodologia foi validada pela Confederação Brasileira de Judô (CBJ). De acordo com os autores, ela pode ser facilmente adaptada para outros esportes.

“O Projeto iSports tem como objetivo principal tornar o esporte mais inclusivo, dando oportunidade para talentos esportivos que jamais poderiam ser reconhecidos. Ele funciona como um olheiro virtual, auxiliando na avaliação de atletas a distância”, explica Francisco Louzada Neto, coordenador de Transferência de Tecnologia do CeMEAI – um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP sediado no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC-USP), em São Carlos.

Além de Louzada Neto, participaram do projeto Caroline Godoy, Anderson Ara, Leandro Carlos Mazzei, Marcus Agostinho e José Olívio Júnior. O trabalho foi premiado com R$ 15 mil e um dos autores também terá a oportunidade de estar nos Jogos Olímpicos Paris 2024.

* Com informações da Assessoria de Comunicação do CeMEAI.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados