Estudo sobre agendas globais enfoca relação entre humanos e natureza | AGÊNCIA FAPESP

Estudo sobre agendas globais enfoca relação entre humanos e natureza Trabalho, que reuniu protagonistas do Brasil e do Reino Unido, investigou os efeitos da proximidade do mar sobre a saúde física e psíquica dos moradores locais (foto: Ronaldo Christofoletti/Unifesp)

Estudo sobre agendas globais enfoca relação entre humanos e natureza

23 de agosto de 2022

José Tadeu Arantes | Agência FAPESP – A relação humanos-natureza está hoje no centro de várias agendas globais, no âmbito de instituições como a Organização das Nações Unidas (ONU), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras. Sua implementação beneficia os humanos com saúde e bem-estar e beneficia a natureza com a promoção de comportamentos ecologicamente corretos.

A experiência de trabalhar com essas agendas, que demandam esforços interdisciplinares e multissetoriais em várias escalas (local, nacional e internacional), foi tema de um artigo publicado recentemente por pesquisadores, formuladores de políticas e agentes de organizações públicas, privadas e não governamentais do Brasil e do Reino Unido.

O estudo, intitulado When One Health Meets the United Nations Ocean Decade: Global Agendas as a Pathway to Promote Collaborative Interdisciplinary Research on Human-Nature Relationships, pode ser lido na íntegra no periódico Frontiers in Psychology.

“Nele, apresentamos os resultados de nossas reuniões internacionais e propusemos um modelo de trabalho interdisciplinar sobre essas agendas globais, particularmente na interface entre o conceito de One Health [que reconhece a interdependência entre a saúde dos seres humanos, dos animais, das plantas e do ambiente], da OMS, e a ‘UN Ocean Decade’ [iniciativa que busca fomentar pesquisa em prol da proteção do oceano e a gestão dos seus recursos], da ONU”, diz Ronaldo Christofoletti, professor e pesquisador do Instituto do Mar da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e coordenador do estudo.

O trabalho, apoiado pela FAPESP por meio de quatro projetos (17/50220-8, 14/50848-9, 15/50687-8 e 16/11947-7), permitiu identificar três áreas prioritárias de pesquisa intimamente ligadas entre si: conexão humanos-natureza; comportamento humano e conservação; e estratégias de implementação, reunindo e articulando os diversos atores interessados.

“Também discutimos uma série de recomendações para avançar. E, quanto a isso, identificamos três demandas muito presentes em nossa esfera de atuação”, afirma Christofoletti.

E detalha: “A primeira é como articular agendas globais com ações que são realizadas prioritariamente na escala local; a segunda é como traduzir demandas que já foram debatidas socialmente em pesquisas transdisciplinares e multissetoriais, integrando diversas áreas da academia e extrapolando as fronteiras da academia para acolher as contribuições de diferentes setores da sociedade; a terceira é atender à meta da internacionalização, com parcerias entre agentes de países que, muitas vezes, apresentam realidades bastante distintas”.

A partir de uma parceria de mais de 15 anos entre protagonistas brasileiros e britânicos, o trabalho contemplou as três demandas, enfocando a interface entre a área ambiental e a área da saúde humana.

“A gente tem o costume de ignorar isso, mas o ser humano é parte do sistema ambiental. A One Health, da OMS, já dizia, tempos atrás, que a saúde é única: não existe a saúde do ser humano e a saúde do meio ambiente como realidades separadas. E isso foi claramente confirmado pela pandemia. Se o meio ambiente está sendo fortemente impactado, se os nichos ecológicos antes isolados estão sendo pressionados pela presença humana, é inevitável que os patógenos presentes nesses contextos acabem se propagando e infectando os humanos”, pondera Christofoletti.

E continua: “Paralelamente a isso, iniciou-se, no ano passado, a UN Ocean Decade, a Década do Oceano da ONU, com foco na tomada de decisões informadas pela ciência para o desenvolvimento sustentável. Vale lembrar que, só no Brasil, 20% da economia é baseada no oceano. Essa agenda traz muito a relação do ser humano da zona costeira com mar. E as pesquisas comprovam que estar perto do mar faz bem para a saúde física e mental. Não é à toa que a maioria das pessoas, intuitivamente, prefira passar férias na praia”.

O pesquisador explica que a ideia que surgiu então foi investigar como essas duas agendas dialogam uma com a outra, nos âmbitos de diferentes áreas do conhecimento e em diferentes países. Esse foi o foco do estudo em pauta, que nasceu de um workshop reunindo pesquisadores e representantes de diversas entidades do Brasil e do Reino Unido. O fio condutor foi o de uma ciência socialmente referenciada – isto é, que procura atender as demandas da sociedade.

“Realizada esta primeira etapa, o próximo passo, que define a segunda fase do trabalho, é o que fazer na prática. E, para isso, desenvolvemos um projeto, em fase final de aprovação no Reino Unido, que busca avançar o entendimento da relação entre bem-estar humano e proximidade como o oceano”, informa Christofoletti.

O artigo When One Health Meets the United Nations Ocean Decade: Global Agendas as a Pathway to Promote Collaborative Interdisciplinary Research on Human-Nature Relationships está disponível em: www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpsyg.2022.809009/full.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados