Estudo quantifica impacto humano sobre a capacidade de retenção de carbono da Mata Atlântica | AGÊNCIA FAPESP

Estudo quantifica impacto humano sobre a capacidade de retenção de carbono da Mata Atlântica Conservação dos estoques de CO2 do bioma é altamente afetada por degradação florestal, que pode levar a emissões pelo menos 30% maiores do que as geradas por mudanças climáticas. O alerta foi feito por cientistas brasileiros na revista Science Advances (exemplo de impacto humano na Mata Atlântica: corte seletivo de madeira; foto: Renato A.F. Lima)

Estudo quantifica impacto humano sobre a capacidade de retenção de carbono da Mata Atlântica

21 de junho de 2022

Ricardo Muniz | Agência FAPESP – Entre os inúmeros benefícios das florestas nativas está o grande potencial de estocar carbono na biomassa de suas árvores, o que pode contrabalancear as emissões de gases de efeito estufa para a atmosfera. Estudo publicado sexta-feira (17/06) na revista Science Advances traz novos subsídios para compreender o conceito de “sequestro de carbono”, um aspecto estratégico no debate sobre mudanças climáticas globais.

“Ainda sabemos pouco sobre quais são os fatores que podem levar florestas a estocar mais ou menos carbono”, diz Renato Augusto Ferreira de Lima, pesquisador do Departamento de Ecologia do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP), atualmente no Centre for the Synthesis and Analysis of Biodiversity (Cesab, com sede em Montpellier, França), e um dos dez cientistas que assinam o artigo. “Neste trabalho nós usamos uma grande base de dados de inventários florestais para avaliar quais são os fatores que têm maior peso para explicar os estoques de carbono atuais na Mata Atlântica. Encontramos que os fatores ligados aos diferentes tipos de impactos humanos sobre a floresta têm o maior peso, sendo este duas a seis vezes maior que fatores como clima, solo e características das espécies de árvores que compõem a floresta”, explica.

Portanto, reverter os efeitos dos impactos humanos nos remanescentes de Mata Atlântica seria a melhor estratégia para aumentar os estoques de carbono florestais. Atualmente, cerca de 50% da população brasileira reside em áreas originalmente ocupadas pelo bioma.

Segundo Marcela Venelli Pyles, doutoranda em ecologia aplicada do Departamento de Ecologia e Conservação da Universidade Federal de Lavras (UFLA), que lidera o estudo, a conservação dos estoques de carbono da Mata Atlântica é altamente dependente da degradação florestal, que pode levar a perdas de carbono pelo menos 30% maiores do que qualquer futura mudança climática. Além disso, as emissões da degradação florestal podem comprometer os esforços de conservação de acordos de mitigação das mudanças climáticas, por exemplo, metas de REDD+ (instrumento desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados relacionados à recuperação e conservação de suas florestas) e Aichi (20 proposições voltadas à redução da perda da biodiversidade aprovadas na 10ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica).

Por exemplo, a intensificação de distúrbios dentro de um fragmento de Mata Atlântica pode levar a perdas de carbono de até 10,50 toneladas por hectare, correspondente a emitir 15,24% do carbono estocado em 1 hectare, enquanto a proteção pode alcançar ganhos de carbono no montante de 12,02 toneladas por hectare (+17,44% de estocagem).

Clima mais quente

Além da degradação pela ação humana, a pesquisa apurou o quanto os estoques de carbono da Mata Atlântica são ameaçados pelas mudanças climáticas, mais especificamente aumento de temperatura e estresse hídrico. Se o aquecimento global for restringido a 1,5 °C acima dos níveis pré-industriais, como sugerido pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas, 3,53 toneladas por hectare (+5,12%) de carbono seriam liberadas apenas da Mata Atlântica. “Mas se o aquecimento global continuar em sua taxa atual, as emissões de carbono podem exceder 9,03 toneladas por hectare [+13,11% em emissões de carbono]”, complementa Pyles.

O artigo ainda indica que as iniciativas com o objetivo de mitigar as mudanças climáticas por meio da restauração de florestas poderiam se beneficiar da inclusão de espécies com maior densidade de madeira, sementes mais pesadas e folhas maiores. O grupo de pesquisadores alerta que as políticas de conservação de carbono devem levar em conta aspectos metodológicos usados para a quantificação dos estoques de carbono. “As diferenças entre metodologias utilizadas em campo podem levar a erros na estimativa de carbono e, consequentemente, à má interpretação e ineficiência de ações de mitigação do clima”, explica Pyles.

O estudo também aponta que a relação entre a biodiversidade e os estoques de carbono é fraca na Mata Atlântica. Isso revela que as políticas de conservação focadas apenas no carbono podem falhar na proteção da biodiversidade e destaca a importância de implementação de mecanismos de incentivos complementares e separados que visem alcançar também a preservação de espécies.

Segundo Lima, os resultados encontrados para a Mata Atlântica podem servir de lição para outras florestas do mundo – diante das crescentes intervenções humanas nas florestas tropicais ao redor do planeta, oferecendo soluções baseadas na natureza no combate às mudanças climáticas.

O artigo é assinado também por Luiz Fernando Silva Magnago (Universidade Federal do Sul da Bahia), Bruno X. Pinho (Universidade Federal de Pernambuco), Gregory Pitta (USP), André L. De Gasper e Alexander C. Vibrans (Universidade Regional de Blumenau), Vinícius Andrade Maia, Rubens Manoel dos Santos e Eduardo van den Berg (UFLA). A pesquisa recebeu apoio da FAPESP, que financiou os estudos de pós-doutorado de Lima.

O artigo Human impacts as the main driver of tropical forest carbon pode ser lido em: www.science.org/doi/10.1126/sciadv.abl7968.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados