Centro de Química Medicinal fornece insumos para 400 mil testes de saliva usados na detecção da COVID-19 | AGÊNCIA FAPESP

Centro de Química Medicinal fornece insumos para 400 mil testes de saliva usados na detecção da COVID-19 Protocolo desenvolvido no CQMED-Unicamp mostrou-se capaz de abreviar o tempo de produção das enzimas usadas no exame e pode ajudar a ampliar o acesso à testagem no país (foto: CQMED/divulgação)

Centro de Química Medicinal fornece insumos para 400 mil testes de saliva usados na detecção da COVID-19

27 de janeiro de 2021

Agência FAPESP* – O Centro de Química Medicinal da Universidade Estadual de Campinas (CQMED-Unicamp) desenvolveu um protocolo de produção de enzimas de alta especificidade para ser usado na testagem de COVID-19 em amostras de saliva. A primeira entrega gerou insumos para 400 mil testes e foi entregue para a empresa parceira Mendelics Análise Genômica em dezembro último. A fabricação foi feita em menos de dois meses e a expectativa é produzir enzimas para mais 200 mil testes até o fim de janeiro.

O CQMED é financiado pela FAPESP por meio do Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE).

“Durante o desenvolvimento das enzimas, nossa equipe simultaneamente abreviou o processo de produção e aumentou a pureza do material. Desde o lote-piloto, já verificamos que a qualidade das enzimas é equivalente à das importadas”, diz Katlin Massirer, pesquisadora do CQMED e coordenadora do projeto na Unicamp.

As enzimas foram validadas para equivalência com as importadas pelo laboratório clínico Mendelics, utilizando amostras de saliva que chegam diariamente de todo o Brasil ao laboratório no bairro de Santana, em São Paulo.

O laboratório Mendelics está realizando atualmente 90 mil testes por mês e a escalabilidade dos reagentes é um passo importante para a autonomia do país. O desenvolvimento contribui para ampliar a capacidade de testagem em massa, considerada ainda um dos gargalos para a definição de políticas públicas de enfrentamento da pandemia de COVID-19.

O teste de saliva, chamado RT-LAMP, tem a mesma qualidade que o RT-PCR, e está possibilitando a testagem em locais com menos recursos no país. “O RT-LAMP é mais rápido e mais barato, pois baseia-se no uso de enzimas de alta especificidade e dispensa o uso de equipamentos caros”, explica Mario Bengtson, professor do Instituto de Biologia da Unicamp e pesquisador principal do projeto.

O procedimento de teste RT-LAMP executado pela Mendelics foi recentemente publicado de forma aberta na plataforma medRxiv. O projeto é resultado da parceria do CQMED com a empresa Mendelics Análise Genômica e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

* Com informações da Assessoria de Comunicação da Unicamp
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados