Território em diferentes escalas | AGÊNCIA FAPESP

Livro diagnostica problemas que permeiam ordenamento geoeconômico do país e propõe soluções em escala regional e nacional

Território em diferentes escalas

12 de fevereiro de 2009

Por Alex Sander Alcântara

Agência FAPESP – Com foco nas ciências humanas, mas reunindo contribuições de pesquisadores das mais diversas áreas do conhecimento, o livro Questões nacionais e regionais do território brasileiro, lançado em janeiro, tem o objetivo de colocar em discussão algumas das principais questões que permeiam o ordenamento geoeconômico do território nacional, identificando problemas e propondo alternativas viáveis tanto em escala regional como nacional.

O livro foi organizado pelos professores Márcio Rogério Silveira e Paulo Mourão, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Ourinhos (SP), e pela professora Lisandra Pereira Lamoso, da Universidade Federal da Grande Dourados, em Dourados (MS).

De acordo com Silveira, que também é professor de pós-graduação da Unesp em Presidente Prudente (SP), a coletânea de artigos foi pensada no âmbito do Grupo de Estudos em Desenvolvimento Regional e Infraestrutura (Gedri).

“É uma obra que atende aos interesses de diversos segmentos científicos, como geografia, história, economia, sociologia e ciências políticas, de profissionais que se interessam por temas como desenvolvimento regional e ordenamento geoeconômico do território”, disse à Agência FAPESP.

A primeira parte do livro aborda temas considerados pelos autores como fundamentais para a compreensão do processo de reestruturação econômica: as características das revoluções e evoluções logísticas, infraestruturas, arranjos produtivos locais (APLs), a produção do espaço urbano, agroindústrias e meio rural.

A ideia principal, segundo Silveira, foi colocar em pauta os estudos empíricos sobre o desenvolvimento regional e o ordenamento do território brasileiro em diversas escalas.

“Tentamos reunir uma série de pesquisas que tratam do desenvolvimento regional. Discutimos temas como transportes, citricultura, meio ambiente na Amazônia brasileira, ordenamento territorial no Pantanal, investimentos do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] para o desenvolvimento nacional e eixos de desenvolvimento”, disse.

O livro é composto por 16 capítulos. “Há resultados de pesquisas realizadas desde Santa Catarina até o Pará”, disse Silveira. A segunda parte da obra se concentra nos aspectos regionais. São apresentados artigos que abordam os reflexos das políticas neoliberais para a economia catarinense, os espaços conservadores de poder e as redes sociais de poder no planalto latifundiário paranaense, as infraestruturas e as circulações hidroviárias e portuárias ao longo dos rios Tietê e Paraná, os aspectos contemporâneos da industrialização e os eixos de desenvolvimento no interior paulista.

“Essa parte aborda ainda a mercantilização do Carnaval no Nordeste brasileiro e os aspectos do ordenamento da região Norte do país, destacando mineração, formação de sub-região e desenvolvimento sustentável”, explicou Silveira.

Apesar da diversidade de temas, há um fio condutor que une todos os artigos. “O que mais aparece são análises a respeito da capacidade do Brasil para superar – mesmo com um planejamento falho – as crises advindas da economia internacional. Muitos dos estudos ajudam a explicar como o país, nos últimos anos, adaptou-se ao livre jogo do mercado, apesar dos problemas estruturais da economia brasileira”, disse.

 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados