RCGI estreita parceria entre USP e Princeton University | AGÊNCIA FAPESP

RCGI estreita parceria entre USP e Princeton University Projeto com a participação do Centro de Pesquisa em Engenharia da FAPESP visa analisar gargalos e consequências da transição energética para uma matriz mais limpa (imagem: RCGI)

RCGI estreita parceria entre USP e Princeton University

11 de setembro de 2019

Agência FAPESP* – O Centro de Pesquisa para Inovação em Gás (RCGI) foi convidado a integrar uma iniciativa internacional liderada pela Princeton University, dos Estados Unidos, com o Andlinger Center for Energy e o Dow Center for Sustainable Engineering Innovation: o projeto Rapid Switch.

O RCGI é um Centro de Pesquisa em Engenharia (CPE) constituído pela FAPESP em parceria com a Shell e sediado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

O objetivo principal do projeto é analisar os gargalos e as consequências não intencionais que possam surgir durante a transição energética para uma matriz mais limpa e resolvê-los considerando cada setor econômico e os diferentes contextos regionais. A ideia é acelerar os processos de transição energética, investigando as possibilidades mais viáveis que envolvam renováveis.

A colaboração estabelecida pelo RCGI com a Universidade de Princeton tem uma duração inicial de dois anos, de setembro de 2019 a agosto de 2021.

Instituições como o Indian Institute of Technology Bombay e o Indian Institute of Technology Delhi (Índia), a Tsinghua University (China) e a Carnegie Mellon University (Estados Unidos) já estão envolvidas no projeto, que busca expandir-se para países europeus, latino-americanos, asiáticos e africanos.

A proposta de parceria inclui financiamento da USP e da Universidade de Princeton, em partes praticamente iguais, chegando ao total aproximado de US$ 44 mil, durante os dois anos.

* Com informações da Assessoria de Comunicação do RCGI.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados