Raiva e morcegos | AGÊNCIA FAPESP

Com base nos registros da doença nos municípios paulistas, Secretaria de Saúde registrou, em quatro anos, 675 casos de raiva em animais, sendo que quase metade (49,6%) foi causada por morcegos (Unesp)

Raiva e morcegos

26 de agosto de 2009

Agência FAPESP – Um levantamento feito pela Secretaria de Saúde de São Paulo aponta que os morcegos respondem por 49,6% dos casos de raiva animal confirmados no Estado. Foram analisados dados obtidos nos 645 municípios paulistas.

Os dados se referem ao período de 2005 a 2008. Em quatro anos houve 675 casos de raiva em animais, dos quais 335 em morcegos. Outras 266 ocorrências foram verificadas em bovinos – que representaram 39,4% do total – e 65 (ou 9,6%) em equinos.

Os suínos representaram 0,74% dos casos de raiva, com apenas cinco ocorrências. Houve ainda, nesse período, um caso de raiva em cabra e outro em búfalo. Em 2006, foi registrado o último caso de raiva animal em cão, com vírus de morcego.

O levantamento aponta ainda que, de janeiro a julho deste ano, foram registrados 113 casos de raiva animal no Estado, dos quais 78 em morcegos, 51 em bovinos e 4 em equinos. Não há casos de raiva humana em São Paulo desde 2001.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Pasteur, órgão da Secretaria de Saúde, a detecção de casos positivos em morcegos é fundamental para que os municípios paulistas consigam controlar a raiva.

Segundo o instituto, o morcego é atualmente o principal reservatório do vírus e a raiva não se restringe apenas às espécies hematófagas.

Mais informações: www.saude.sp.gov.br
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados