Pesquisadores avaliam polinização no mundo | AGÊNCIA FAPESP

Pesquisadores avaliam polinização no mundo Anne Larigauderie, secretária executiva do IPBES, durante reunião no auditório do Museu Paraense Emílio Goeldi (foto: assessoria de comunicação do Museu Paraense Emílio Goeldi)

Pesquisadores avaliam polinização no mundo

13 de março de 2015

Elton Alisson | Agência FAPESP – Um grupo internacional de pesquisadores participa até sexta-feira (13/03), em Belém (PA), da segunda reunião de trabalho da avaliação global “Polinização, polinizadores e produção de alimentos” para a Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês).

A avaliação será o primeiro diagnóstico temático realizado pelo organismo intergovernamental independente, criado em 2012, com a função de organizar o conhecimento científico acumulado sobre a biodiversidade para subsidiar decisões políticas em âmbito mundial.

Além de um relatório técnico, com seis capítulos de 30 páginas cada, a avaliação deverá apresentar um texto destinado aos formuladores de políticas públicas sobre o tema.

“Participam da reunião de trabalho, em Belém, os coordenadores dos seis capítulos que vão compor a avaliação, além de membros da força tarefa sobre indígenas e conhecimento regional do IPBES, liderados por Douglas Nakashima, chefe da seção para pequenas ilhas e conhecimento indígena da Unesco [Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura], e revisores externos”, disse Vera Imperatriz Fonseca, pesquisadora do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Tecnológico Vale Desenvolvimento Sustentável (ITVDS), à Agência FAPESP.

“Os revisores externos foram indicados oficialmente pelo IPBES para essa função”, disse Fonseca, que coordena a avaliação ao lado de Simon Potts, professor da University of Reading, do Reino Unido.

De acordo com Fonseca, a ideia do trabalho é, além de avaliar o conhecimento sobre polinização, identificar estudos necessários na área para auxiliar os tomadores de decisão dos países a formular políticas públicas para a preservação dos serviços ecossistêmicos prestados pelos animais polinizadores.

Para isso, foram indicados por um Painel Multidisciplinar de Especialistas do IPBES 75 pesquisadores oriundos dos 124 países-membros, além de observadores da plataforma intergovernamental aberta a todos os países membros da Organização das Nações Unidas (ONU).

Do grupo de 75 pesquisadores, dois foram escolhidos para coordenar o trabalho – de duas das cinco regiões da ONU – e alguns foram indicados para desempenhar a função de revisores externos da avaliação. Estes também participam da reunião de trabalho em Belém.

“Nós ainda contaremos com o suporte da força tarefa sobre indígenas e conhecimento tradicional do IPBES nesta fase da avaliação”, disse Fonseca.

Segundo ela, os textos já elaborados pelos componentes da avaliação estão sendo elaborados e analisados.

As próximas etapas do trabalho serão a apresentação do texto final aos governos para análise e compilação das marcas de revisão, e a apresentação de um novo texto à terceira avaliação, que será realizada em julho, em Roma.

“O documento final será então traduzido para as línguas oficiais da ONU e apresentado para julgamento em reunião plenária prevista para ser realizada em fevereiro de 2016, em Kuala Lampur, na Malásia”, contou.

Abertura pública

A sessão de abertura pública da reunião de trabalho da avaliação foi realizada na segunda-feira (9/03) no auditório do Museu Paraense Emílio Goeldi.

O diretor do Museu, Nilson Gabas Jr., abriu a sessão abordando os desafios de conservar a biodiversidade amazônica.

Em seguida, Anne Larigauderie, secretária executiva do IPBES, falou sobre o papel da plataforma de proporcionar conhecimentos científicos para auxiliar a tomada de decisões.

Nadine Azu, da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), discorreu sobre o papel do organismo internacional com relação à polinização e agricultura.

A professora aposentada da Universidade de São Paulo (USP) e membro da força tarefa sobre indígenas e conhecimento tradicional do IPBES, Manuela Carneiro da Cunha, também foi uma das palestrantes do evento. A sessão foi encerrada por Luiz Mello, diretor presidente do Instituto Tecnológico Vale.

As reuniões de trabalho, restritas aos pesquisadores participantes do projeto, ocorrerão até sexta-feira (13/03) nas dependências do ITVDS, em Belém.

Leia mais sobre a avaliação global “Polinização, polinizadores e produção de alimentos” da IPBES em http://agencia.fapesp.br/forcatarefa_internacional_fara_diagnostico_sobre_polinizacao_no_mundo/19859/ e em http://agencia.fapesp.br/painel_intergovernamental_discute_capacitacao_para_pesquisas_em_biodiversidade/19840/

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados