Novo papel do príon | AGÊNCIA FAPESP

Pesquisadores brasileiros descobrem que proteína príon celular, além de atuar na formação e morte de neurônios, pode modular a agressividade de células tumorais. Estudo foi publicado no International Journal of Cancer (Foto: Glaucia Hajj/LIRC)

Novo papel do príon

20 de maio de 2009

Por Fábio de Castro

Agência FAPESP – Sabe-se que a proteína príon celular (PrPC), altamente expressa na superfície das células do sistema nervoso, tem papel importante no amadurecimento e na formação dos prolongamentos dos neurônios, além de protegê-los da morte celular programada – a apoptose. Ela também modula a resposta do sistema imunológico às inflamações e há evidências de que proteja as células neuronais contra a isquemia, ou falta de oxigênio.

Um novo estudo feito por pesquisadores brasileiros sugere que a expressão da PrPC também pode modular a agressividade de células tumorais. O trabalho, coordenado pela professora Vilma Regina Martins, do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer, foi publicado na edição on-line da revista International Journal of Cancer.

Resultado do Projeto Temático “Papel da proteína príon celular em processos fisiológicos e patológicos”, apoiado pela FAPESP e coordenado por Vilma, o estudo teve a participação de Angelita Muras e Glaucia Hajj, também do Instituto Ludwig, de Karina Ribeiro e Regina Nomizo, do Hospital A.C. Camargo, de Sueli Nonogaki, do Instituto Adolfo Lutz, e de Roger Chammas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com Vilma, graças à contribuição do Temático – que está em fase de conclusão e é o segundo coordenado por ela sobre o tema –, a PrPC começa cada vez mais a aparecer na literatura científica não apenas pela importância nas doenças neurodegenerativas causadas por príons, mas também por sua relevância biológica.

“Nossos dados mostram que a PrPC modula a expressão e a ativação de outras proteínas – como as integrinas –  e que sua ausência em células tumorais pode resultar em um fenótipo mais agressivo. Os resultados indicam que a PrPC pode ter implicações importantes na formação de metástases”, disse à Agência FAPESP.

O grupo, segundo a pesquisadora, estudou o papel da PrPC na modulação de um processo tumoral utilizando culturas de células e modelos animais. Células mesenquimais de camundongos – que não continham a PrPC – foram transformadas para desenvolver tumores. Sobre essas células transformadas, o grupo pôde testar o papel da proteína.

“Transformamos células que não possuíam a proteína príon em células tumorais. Com isso, elas se tornaram particularmente agressivas e, quando injetadas na veia caudal dos animais, formaram colônias pulmonares. Não se trata de uma metástase, mas de uma característica experimental típica de uma célula agressiva”, explicou.

O estudo indica que a falta da PrPC na célula leva à ativação de outras proteínas que, por sua vez, tornam o tumor mais agressivo. “Em um neurônio normal, por exemplo, a proteína príon tem o papel de preservar a capacidade de a célula formar axônios e conexões. Mas em uma célula tumoral, as modificações ocasionadas pela ausência da PrPC levaram a uma maior agressividade do tumor”, disse.

Mecanismo de compensação

Quando foram criadas as primeiras linhagens de animais que não produziam a PrPC, há cerca de 25 anos, não houve alteração aparente em seus organismos. “Naquela época havia duas hipóteses: ou a proteína não apresentava uma função relevante no sistema, ou tinha uma função tão importante que precisava ser redundante – isto é, alguma outra proteína exercia sua ação para compensar uma função que tivesse sido desativada”, disse Vilma.

Há cerca de dois anos, um artigo produzido pelo grupo brasileiro demonstrou que os neurônios com PrPC tinham a mesma capacidade de produzir axônios que as células semelhantes, mas desprovidas da proteína. Os cientistas descobriram que isso ocorria porque existia um mecanismo compensatório.

“Naquele artigo, mostramos que as células que não possuem PrPC têm maior atividade de outra proteína, uma integrina. Com isso, explicamos pela primeira vez por que não há grandes alterações quando se avalia os animais desprovidos da PrPC. No entanto, sabemos que as integrinas também são muito importantes para a regulação do processo tumoral”, afirmou.

Quando usaram um fibroblasto – célula do tecido conjuntivo – de um animal sem PrPC e o transformaram em célula tumoral, os cientistas viram que a presença de uma integrina mais ativada fazia o tumor ficar mais agressivo. “Isso indica que a PrPC é uma proteína regulatória que, ao ser retirada do sistema, altera a atividade de outras proteínas como as integrinas.Essa alteração pode contribuir para a agressividade das células tumorais”, destacou.

Segundo a pesquisadora do Instituto Ludwig, os estudos sobre o papel de proteínas em tumores deverão ter continuidade. Um dos objetivos será avaliar se existem tumores específicos que têm a expressão ou a quantidade de PrPC aumentada ou diminuída. Expressar mais ou menos PrPC pode indicar que a célula é mais ou menos agressiva.

“Queremos estudar exatamente como a presença da PrPC pode modular o processo tumoral. Essa modulação pode ter um comportamento diferente em outros tipos celulares. A proteína tem, por exemplo, atividade em células de tumores do sistema nervoso, como glioblastomas, regulando sua proliferação”, afirmou Vilma.

 

O artigo Prion protein ablation increases cellular aggregation and embolization contributing to mechanisms of metastasis, de Vilma Regina Martins e outros, pode ser lido por assinantes do International Journal of Cancer em www3.interscience.wiley.com/journal/122253781/abstract?CRETRY=1&SRETRY=0.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados