Goldemberg ganha prêmio Ernesto Illy | AGÊNCIA FAPESP

Professor da USP é distinguido por estudos sobre energia renovável e recebe prêmio de US$ 100 mil da illycaffè, da Fundação Ernesto Illy e da Academia de Ciências do Mundo em Desenvolvimento

Goldemberg ganha prêmio Ernesto Illy

21 de outubro de 2010

Agência FAPESP – O professor José Goldemberg, do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo, é o ganhador do Prêmio de Ciência de Trieste Ernesto Illy. A distinção foi entregue nesta terça-feira (19/10), em Hyderabad (Índia), pelo primeiro-ministro do país, Manmohan Singh.

O prêmio, no valor de US$ 100 mil, é concedido anualmente a pesquisadores de países em desenvolvimento por contribuições importantes à ciência e tem o apoio da illycaffè, da Fundação Ernesto Illy e da Academia de Ciências do Mundo em Desenvolvimento (TWAS).

“Esse prêmio concede uma satisfação muito grande. É um reconhecimento sério, que vem de cientistas que partilham e identificam o real valor da pesquisa, sem qualquer interesse político”, disse Goldemberg.

Um dos maiores especialistas em energia no mundo, Goldemberg é conhecido defensor do uso de novas tecnologias para promover o desenvolvimento sustentável.

Em artigo publicado na revista Science, em 1978, Goldemberg e colegas apresentaram uma série de evidências científicas demonstrando que biocombustíveis, então derivados da cana-de-açúcar, poderiam reduzir o uso de combustíveis fósseis no Brasil.

“Na época, os esforços para desenvolver biocombustíveis no Brasil foram, em grande parte, justificados pela segurança energética. Nossa pesquisa demonstrou que a produção de biocombustíveis não somente reduziria o uso e a dependência do combustível fóssil, como também ajudaria a reduzir a poluição do ar e as emissões de gases do efeito estufa”, disse.

Ao verificar o positivo equilíbrio fornecido pela energia dos biocombustíveis, levando em consideração o benefício ambiental e o potencial energético, os estudos reforçaram o apoio ao programa brasileiro de biocombustíveis, ajudando a garantir sua viabilidade a longo prazo.

Atualmente, o Brasil produz mais de 25 bilhões de litros de etanol de cana-de-açúcar por ano e mais da metade dos veículos de pequeno porte no país utilizam etanol.

“Em um mundo cada vez mais preocupado com o futuro abastecimento de energia e com o aquecimento global, o contínuo desenvolvimento de biocombustíveis provavelmente irá se revelar um ingrediente essencial ao crescimento econômico sustentável”, disse Goldemberg.

Doutor em ciências físicas pela USP, Goldemberg foi reitor da universidade de 1986 a 1990. Foi presidente da Companhia Energética de São Paulo e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ministro da Educação, secretário do Meio Ambiente da Presidência da República e secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, entre diversos outros cargos.

Como professor ou pesquisador esteve nas universidades de Paris (França), Princeton e Stanford (Estados Unidos) e Toronto. Foi selecionado pela revista Time como um dos 13 “Heroes of the Environment” em 2007. Recebeu o Blue Planet Prize 2008, da Asahi Glass Foundation.

Em 2007, copresidiu o painel de estudos do InterAcademy Council (IAC), responsável pelo relatório Lighting the Way: Towards a Sustainable Energy Future.

Em 2009, outro brasileiro foi reconhecido pelo Prêmio de Ciência de Trieste Ernesto Illy. Carlos Clemente Cerri, professor titular e pesquisador do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da USP, foi agraciado pelo estudo pioneiro do impacto climático das práticas agropecuárias sobre o clima, especialmente no Brasil, que ampliou a discussão sobre a estreita relação entre a agricultura, o clima e o meio ambiente.

O Prêmio Ernesto Illy abordará em 2011 a área de ciência de materiais e, no ano seguinte, de saúde humana.

Mais informações: www.twas.org
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados