Estudo quer identificar as 150 espécies brasileiras de maracujá | AGÊNCIA FAPESP

Estudo quer identificar as 150 espécies brasileiras de maracujá Objetivo é prospectar espécies selvagens e criar unidades conservadoras de material genético (foto: Frutos e flor da espécie de maracujá Passiflora edulis/Wikimedia Commons)

Estudo quer identificar as 150 espécies brasileiras de maracujá

15 de fevereiro de 2016

Peter Moon  |  Agência FAPESP – Existem cerca de 520 espécies conhecidas de maracujazeiro. Elas crescem como trepadeiras, cipós ou arbustos nas florestas tropicais das Américas, mas predominam na Amazônia. O Brasil abriga ao menos 150 espécies. A Colômbia, 170. São os centros de diversidade do maracujá. Apesar de tamanha variedade, só duas espécies foram domesticadas e têm valor comercial, como alimento ou então nas indústrias de bebidas, cosméticos e farmacêutica. São elas o maracujá-amarelo ou maracujá-roxo, mais azedos (Passiflora edulis), e o maracujá-doce (P. Alata), que se come de colher – daí o nome tupi da fruta, mara kuya, que quer dizer "alimento na cuia”. Algumas espécies selvagens têm ainda uso ornamental.

O Brasil é o maior produtor mundial de maracujá e também o maior consumidor. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2014 foram produzidas 823 mil toneladas, sendo que 75% da produção está concentrada no Nordeste. A produção e a área plantada decuplicaram desde os anos 1980, graças aos melhoramentos genéticos feitos pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Daí a importância de pesquisar e conservar a riquíssima diversidade do maracujá. Mas há um problema: à exceção das duas espécies domesticadas, todas as demais são selvagens e pouquíssimo estudadas. Suas propriedades são desconhecidas da ciência. “É um desafio do ponto de vista da conservação. Não sabemos quase nada sobre a variabilidade genética da maioria das espécies de maracujá selvagem”, alerta a pesquisadora Anete Pereira de Souza, do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Anete Pereira de Souza é a responsável pelo projeto “Variabilidade genética e molecular em acessos de maracujá (Passiflora spp.) comerciais e selvagens, visando conservação ex situ e melhoramento de plantas”, apoiado pela FAPESP.

Ela é coautora de um balanço do estado atual do conhecimento da conservação e diversidade genética do gênero Passiflora, publicado no livro Genetic Diversity and Erosion in . O estudo foi desenvolvido em colaboração com pesquisadores da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Embrapa Cerrados (DF) e Embrapa Mandioca e Fruticultura (BA).

A maioria das espécies selvagens de maracujá floresce em florestas úmidas e quentes. “Este é o grande problema com as mudanças climáticas. Qualquer alteração hídrica ou da temperatura pode significar a perda de um grande número de espécies”, afirma Anete Pereira de Souza.

Prospecção e preservação

Em outras palavras, muitas espécies selvagens correm simplesmente o risco de desaparecer antes mesmo que tenhamos a chance de conservar amostras da sua variabilidade genética, uma fonte promissora e insubstituível para futuros melhoramentos nas espécies domesticadas. “Há genes de resistência contra doenças que a gente poderia usar para melhorar as espécies cultivadas”, diz a pesquisadora. A única amostragem do genoma do maracujá foi publicada por pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP).

“Para conservar a biodiversidade do gênero Passiflora precisamos obter informações genéticas, genômicas e fenotípicas de todas as espécies”, afirma Anete Pereira de Souza. O primeiro passo é a identificação e prospecção de todas as espécies selvagens. O segundo é a preservação dessas amostras em coleções botânicas e bancos de germoplasma, unidades conservadoras de material genético.

Outro risco que expõe a fragilidade do maracujá às mudanças climáticas tem a ver com a polinização. Os maracujazeiros dependem das abelhas mamangabas para a polinização. Mamangabas são as abelhas do gênero Bombus, com cerca de 250 espécies. Pela sua importância na polinização de vários tipos de plantas, sua perseguição, destruição, caça ou apanha é proibida por Lei Federal desde 1998.

“O maracujá só dá frutos se o pólen vier de uma outra planta. A mamangaba é quem faz esse trabalho. É uma abelhona preta, grande, que está rareando na natureza”, ela explica. As mamangabas costumam fazer suas colmeias em troncos ocos de árvores. É por isso que, com o desmatamento, elas estão desaparecendo.

Por causa do sumiço das mamangabas, uma queixa recorrente dos agricultores é que os maracujazeiros estão deixando de frutificar. Sem flores, nada de frutos. “Já faz tempo que os agricultores estão tendo que recorrer à polinização manual. Como se isso não bastasse, nós ainda não sabemos nada sobre as espécies de abelhas e outros insetos que realizam a polinização das variedades selvagens de maracujá”, diz.

Caso existam espécies de maracujá que dependam de uma espécie específica de abelha para a polinização, e se esta abelha desaparecer por causa dos desmatamentos e mudanças climáticas, aquelas espécies selvagens também desaparecerão. Será uma perda insubstituível.

O artigo The Genetic Diversity, Conservation, and Use of Passion Fruit (Passiflora spp.), de Anete Pereira da Silva e outros, publicado em Genetic Diversity and Erosion in Plants pode ser lido em http://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-319-25954-3_5.

Assuntos mais procurados