Contato inicial | AGÊNCIA FAPESP

Representantes da Academia Chinesa de Ciências fizeram visita à sede da FAPESP nesta quarta-feira (18/8), a fim de conhecer as atividades da Fundação e estabelecer primeiro contato para futuras cooperações (Foto: Alex Sander Alcântara)

Contato inicial

19 de agosto de 2010

Por Fábio de Castro

Agência FAPESP – Representantes da Academia Chinesa de Ciências (CAS, na sigla em inglês) realizaram uma visita à FAPESP, nesta quarta-feira (18/8), a fim de conhecer as atividades da Fundação e fazer um contato inicial para a discussão de futuras possibilidades de cooperação científica entre instituições chinesas e brasileiras.

A comitiva chinesa foi recebida pelo presidente da FAPESP, Celso Lafer, e pelo diretor científico da Fundação, Carlos Henrique de Brito Cruz. Participaram também da reunião Eduardo Moacyr Krieger, conselheiro da FAPESP, e Marie-Anne Van Sluys, coordenadora adjunta da área de ciências da vida da FAPESP e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN).

A reunião teve a participação de Pan Jiaofeng, secretário-geral e diretor de Planejamento Estratégico da CAS, e Song Dawei, diretor-geral do Departamento de Desenvolvimento Social do Escritório de Pesquisa do Conselho de Estado.

Participaram ainda outros membros da CAS: Zhao Lanxiang, do Instituto de Gestão e Políticas, Tao Zongbao, do Escritório de Planejamento e Estratégia, Liu Yidong, do Instituto de História das Ciências Naturais, e Gong Haihua, do Escritório de Cooperação Internacional.

De acordo com Lafer, a visita teve o objetivo de cogitar uma possível cooperação entre a FAPESP e instituições chinesas. “Fizemos uma exposição das atividades da Fundação e falamos sobre possibilidades de cooperação futura. É um contato inicial, que será explorado mais adiante. Fornecemos as informações institucionais necessárias para fundamentar um próximo contato”, disse Lafer à Agência FAPESP.

Lafer afirmou que a comitiva chinesa mostrou preocupação em selecionar áreas prioritárias de pesquisa para possíveis cooperações. “Temos dado importância à internacionalização da FAPESP”, disse.

Segundo Jiaofeng, as áreas prioritárias para uma possível cooperação científica com o Brasil são os setores de pesquisas em biomassa, biodiversidade e neurociências.

“É nossa primeira visita ao Brasil e queremos, antes de mais nada, comprender o funcionamento do sistema de fomento à ciência e tecnologia do país”, disse.

Jiaofeng contou que a comitiva está realizando pela primeira vez visitas a agências de fomento à pesquisa em outros países. Antes da viagem ao Brasil, a comitiva visitou a National Science Foundation (NSF), dos Estados Unidos. “Encontramos diversas similaridades entre os funcionamentos da FAPESP e do sistema chinês”, disse.
 

Assuntos mais procurados