CDMF lança game educativo Patrulheiros da História | AGÊNCIA FAPESP

CDMF lança game educativo Patrulheiros da História Grupo Ludo Educativo do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais desenvolveu um jogo com foco nas reações do jogador (imagem: Ludo Educativo / CDMF)

CDMF lança game educativo Patrulheiros da História

17 de dezembro de 2018

Agência FAPESP – O grupo de desenvolvimento de jogos educacionais Ludo Educativo, projeto de extensão do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), lançou o Patrulheiros da História – Angola, um jogo com foco nas reações do jogador.

O CDMF é um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) financiado pela FAPESP.

O jogo começa com a família da personagem descobrindo que uma empresa será construída sobre um sítio arqueológico. Então os filhos do casal decidem tentar encontrar as peças históricas da área, antes que a construção aconteça. Para isso, precisam passar pelos guardas da companhia e evitá-los.

Na versão Angola, cabe ao jogador encontrar as partes de uma máscara africana que, posteriormente, demonstra emanar algum tipo de poder mágico. O jogo conta o tempo em cada fase, permitindo que o jogador entre e participe do ranking existente no portal do Ludo Educativo.

O Ludo Educativo é um projeto de extensão universitária que surgiu em 2012 e tem jogos gratuitos sobre diversos assuntos que estão presentes no dia a dia de crianças e adolescentes, como a escassez de água, preservação do meio ambiente e a preparação para o vestibular. A equipe do projeto é formada por designers, programadores e profissionais de audiovisual da Aptor Software, uma empresa spin-off que surgiu na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e na Unesp de Araraquara.

O Patrulheiros da História pode ser jogado diretamente pelo site do Ludo Educativo.

Mais informações: www.ludoeducativo.com.br/pt/play/patrulheiros-da-historia.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados