Bolsa FAPESP de pós-doutorado em geoprocessamento e saúde | AGÊNCIA FAPESP

Bolsa FAPESP de pós-doutorado em geoprocessamento e saúde Projeto desenvolvido no Instituto Adolfo Lutz usa geotecnologias para estudo das leishmanioses com o objetivo de melhorar o diagnóstico e a distribuição de recursos laboratoriais, além de contribuir com políticas públicas de vigilância (imagem: Pixabay)

Bolsa FAPESP de pós-doutorado em geoprocessamento e saúde

29 de agosto de 2019

Agência FAPESP – O projeto “Plano de desenvolvimento institucional em pesquisa do Instituto Adolfo Lutz (PDIp)” oferece uma Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP na área de geoprocessamento e saúde. O prazo de inscrição se encerra em 31 de agosto de 2019.

As atividades do bolsista serão exercidas no Centro de Parasitologia e Micologia do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. A supervisão será do professor José Eduardo Tolezano.

O bolsista vai atuar no projeto “Uso de geotecnologias em saúde: análise espacial de fenômenos de base laboratorial – Leishmanioses”, trabalhando de forma integrada com segmentos do Adolfo Lutz e de outros laboratórios e órgãos parceiros que formam a rede em saúde no Estado de São Paulo.

O objetivo é contribuir para a melhoria e padronização dos dados e informações sobre as leishmanioses, em Bauru e nos demais municípios do Estado, estudar os fatores de risco e identificar áreas prioritárias para o planejamento das ações de vigilância e controle da doença, participar de ações para obtenção de melhores diagnósticos e otimização na distribuição de recursos e insumos laboratoriais, além de contribuir com o planejamento e construção das políticas públicas de vigilância e controle das leishmanioses, sempre com base em análises espaciais.

O candidato deve ter graduação, preferencialmente, em Geografia ou Geociências e ter concluído o doutorado há menos de cinco anos em área de análise espacial e leishmanioses. Precisa ser fluente em língua inglesa e em espanhol para ler e escrever relatórios e artigos científicos, participar e organizar eventos, comunicar-se com a rede de profissionais estrangeiros e latino-americanos, entre outras atividades acadêmicas. Deve ter disponibilidade para viagens no Estado de São Paulo, no Brasil e no exterior.

Também são necessários conhecimentos em: sistemas de informação geográfica, como ArcGIS, Q-GIS e Spring; softwares de sensoriamento remoto, como TerraView, GeoDa, ENVI e SGeMS; programação em R; georreferenciamento de dados (geocodificação e GPS); e informática avançada para criação e manipulação de banco de dados não convencionais.

É imprescindível que o candidato tenha conhecimentos teóricos de cartografia sistemática, sensoriamento remoto, estatística básica e avançada e experiência para atuar na capacitação e aperfeiçoamento na área de análise espacial em saúde.

A bolsa terá duração de 24 meses, com possibilidade de renovação, em regime de dedicação exclusiva (40 horas/semana). Informações e inscrições podem ser feitas pelo e-mail (tolezano@hotmail.com).

Mais informações sobre a vaga em: www.fapesp.br/oportunidades/3079.

A oportunidade de pós-doutorado está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP no valor de R$ 7.373,10 mensais e Reserva Técnica equivalente a 15% do valor anual da bolsa para atender a despesas imprevistas e diretamente relacionadas à atividade de pesquisa.

Caso o bolsista de PD resida em domicílio fora da cidade na qual se localiza a instituição-sede da pesquisa e precise se mudar, poderá ter direito a um auxílio-instalação. Mais informações sobre a Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP estão disponíveis em www.fapesp.br/bolsas/pd.

Outras vagas de bolsas, em diversas áreas do conhecimento, estão no site FAPESP-Oportunidades, em www.fapesp.br/oportunidades.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados