Aquecimento global em Marte | AGÊNCIA FAPESP

Ao comparar dados obtidos pelas sondas Mars Global Surveyor e Viking, cientistas apontam que variações na radiação refletida têm mudado a circulação dos ventos e levado ao aumento na temperatura do planeta (Nasa)

Aquecimento global em Marte

05 de abril de 2007

Agência FAPESP - Variações na radiação refletida na superfície de Marte têm contribuído para mudar o clima do planeta. As mudanças têm provocado um aumento no transporte de poeira e na circulação dos ventos, segundo artigo publicado nesta quinta-feira (5/4), na revista Nature.

O estudo, feito por cientistas norte-americanos, estima que Marte aqueceu por volta de 0,65ºC entre 1976, quando as sondas Viking 1 e 2 pousaram em solo marciano, e o fim da década de 1990, quando a sonda Mars Global Surveyor orbitou e mapeou parte do planeta. Esse aquecimento pode ter sido o motivo que levou à recente diminuição da camada de gelo no pólo sul marciano.

Segundo os pesquisadores, grandes áreas da superfície marciana apresentam diferenças em contraste com regiões próximas, que têm sido atribuídas à presença de areia, mas até agora seus efeitos na circulação dos ventos e no clima eram desconhecidos.

O modelo produzido por Lori Fenton, do Centro Carl Sagan para Estudo da Vida no Universo, e colegas aponta que as mudanças nos padrões de reflexão têm promovido um efeito muito maior no clima do que se esperava. Grandes partes da superfície escureceram nas últimas três décadas, à medida que perderam poeira e viram aumentos expressivos tanto nas temperaturas quanto nos ventos.

Para os cientistas, o resultado aponta para uma possível relação entre erosão e reflexão luminosa. Como variações nessa última estariam interagindo – e até mesmo conduzindo –, processos ligados a mudanças no clima deveriam ser considerados como componente importante em futuros estudos atmosféricos e climáticos em Marte.

O artigo Global warming and climate forcing by recent albedo changes on Mars, de Lori Fenton e outros, pode ser lido por assinantes da Nature em www.nature.com.


  Republicar

 

Republicar

É permitida a republicação desta reportagem em meios digitais de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. É obrigatório o cumprimento da Política de Republicação Digital de Conteúdo de Agência FAPESP, aqui especificada. Em resumo, o texto não deve ser editado e a autoria deve ser atribuída, assim como a fonte (Agência FAPESP). O uso do botão HTML permite o atendimento a essas normas. Em caso de reprodução apenas do texto, por favor, consulte a Política de Republicação Digital.


Assuntos mais procurados