Aplicativo otimiza dose de medicamento usado em experimentação animal | AGÊNCIA FAPESP

Aplicativo otimiza dose de medicamento usado em experimentação animal Software Labinsane foi desenvolvido por estudante do Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades da Unicamp e está disponível sem custos na internet (imagem: divulgação)

Aplicativo otimiza dose de medicamento usado em experimentação animal

05 de fevereiro de 2020

Agência FAPESP – Um aplicativo para otimizar a dose de anestesia ou analgesia usada durante intervenções experimentais em animais foi desenvolvido por um doutorando do Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades (OCRC), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) financiado pela FAPESP na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Conduzido por Carlos Poblete e orientado pela professora Eliana de Araújo, da Faculdade de Enfermagem da Unicamp, o trabalho foi destaque no blog MIT App Inventor, plataforma de código aberto criada pelo Google e atualmente mantida pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos.

O app Labinsane usa a plataforma MIT App Inventor para implementar três protocolos diferentes. Cada protocolo otimiza a dosagem necessária do medicamento de acordo com a finalidade do procedimento: para anestesia, analgesia ou indução ao diabetes do animal experimental. Dessa forma, os pesquisadores podem calcular de forma rápida e fácil as doses individuais para um grande número de animais, além de melhorar o protocolo de tratamento.

O Labinsane foi validado comparando o resultado gerado pelo aplicativo com o obtido a partir de formulações em planilha eletrônica. Desde a implementação do aplicativo em 2017, o Labinsane ajudou a reduzir de 20% para 1,5% as perdas com animais.

O aplicativo é gratuito e está disponível no Google Play.

Mais informações em: https://bit.ly/3ai4MT1.
 

  Republicar
 

Republicar

A Agência FAPESP licencia notícias via Creative Commons (CC-BY-NC-ND) para que possam ser republicadas gratuitamente e de forma simples por outros veículos digitais ou impressos. A Agência FAPESP deve ser creditada como a fonte do conteúdo que está sendo republicado e o nome do repórter (quando houver) deve ser atribuído. O uso do botão HMTL abaixo permite o atendimento a essas normas, detalhadas na Política de Republicação Digital FAPESP.


Assuntos mais procurados